domingo, 27 de dezembro de 2015

Propaganda curiosa de cigarros (1896)

Eis uma publicidade curiosa, de tempos menos politicamente corretos, publicada há exatos 119 anos no jornal Cidade de Lavras, edição 145, de 27 de dezembro de 1896.

domingo, 20 de dezembro de 2015

Entrevista sobre o Acervo Cultural Lavrense

Entrevista concedida ao jornalista e advogado Aureliano Borges, dezembro de 2015.

1) Por que Lavras pode ser considerada: Cidade dos Ipês, das escolas, da política e da religiosidade?

O epíteto de Lavras, "Cidade dos Ipês e das Escolas" foi criado a partir das palavras do jornalista Jorge Duarte em 1941. O próprio Duarte, um dos primeiros alunos do Grupo Escolar de Firmino Costa foi um dos beneficiados pelo impulso educacional observado na cidade na virada do século, quando vários importantes educandários foram criados.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

(17 de dezembro) Doutor Augusto Silva

O dr. Augusto José da Silva foi a maior intelectualidade que Lavras tem produzido. Se seus conhecimentos científicos e literários não fossem velados por grande modéstia, se a clínica não lhe houvesse tomado o melhor do tempo, ele pudera ter sido um dos escritores mais fecundos e aprimorados da literatura nacional. Suas produções, esparsas pela imprensa, são bastantes para corroborar o nosso asserto: a profundidade de seus conceitos vazados em linguagem rica e aprimorada revela extraordinária cultura intelectual. Meneava ele a língua vernácula com destreza e facilidade, e possuía um estilo conciso, de esquisito brilho, expressivo e forte.

Seria valioso serviço prestado às letras a publicação de algumas obras do dr. Augusto Silva, nas quais há muito que aprender. Compenetrar-se-á disso quem ler A Escrava, A Casa Branca, A Devota, O Soldado e esses verdadeiros mimos pela forma e pela essência, aos quais deu ele o nome de Farfalhas.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

(16 de dezembro) Álvaro Botelho

BOTELHO, Álvaro Augusto de Andrade
*dep. geral MG 1885; const. 1891; dep. fed. MG 1891-1899 e 1909-1917.
Álvaro Augusto de Andrade Botelho nasceu na vila de Lavras do Funil, atual cidade de Lavras, na então província de Minas Gerais, em 8 de fevereiro de 1860, filho do comendador José Esteves de Andrade e de Prudenciana de Paiva Botelho.
Concluiu os estudos preparatórios no Rio de Janeiro, então capital do Império, e bacharelou-se pela Faculdade de Direito de São Paulo em 1883. Ainda no período imperial foi eleito deputado geral por Minas Gerais em 1885. Retornando à terra natal, foi juiz municipal de 1886 a 1889. Foi também vereador, presidente da Câmara e agente executivo em Lavras, além de exercer a advocacia. Defensor dos ideais republicanos, foi atuante na propaganda republicana na cidade.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

(2 de dezembro) Coronel Tomás de Aquino

É o coronel Tomás de Aquino Alves de Azevedo um dos nomes guardados com maior acatamento pela tradição lavrense. Já se passaram 43 anos sobre sua morte, e até hoje os que o conheceram nesta cidade lembram-se com amor e gratidão, da figura venerável e bondosa daquele lavrense benfazejo. E quanto honra aos lavrenses conservarem tão duradouro reconhecimento a esse distinto conterrâneo que, pode-se dizer, consagrou toda a sua vida ao povo desta cidade!

Comemorando o nome do major Ferreira, digno filho do coronel Tomás, referimos que, em outros tempos, os médicos de carreira não sobravam para a clínica sertaneja, fazendo a necessidade de acudir aos enfermos que os homens mais inteligentes e altruístas se dedicassem ao mister de aplicar a medicina. O coronel Tomás de Aquino fora do número destes beneméritos.