domingo, 27 de dezembro de 2015

Propaganda curiosa de cigarros (1896)

Eis uma publicidade curiosa, de tempos menos politicamente corretos, publicada há exatos 119 anos no jornal Cidade de Lavras, edição 145, de 27 de dezembro de 1896.

domingo, 20 de dezembro de 2015

Entrevista sobre o Acervo Cultural Lavrense

Entrevista concedida ao jornalista e advogado Aureliano Borges, dezembro de 2015.

1) Por que Lavras pode ser considerada: Cidade dos Ipês, das escolas, da política e da religiosidade?

O epíteto de Lavras, "Cidade dos Ipês e das Escolas" foi criado a partir das palavras do jornalista Jorge Duarte em 1941. O próprio Duarte, um dos primeiros alunos do Grupo Escolar de Firmino Costa foi um dos beneficiados pelo impulso educacional observado na cidade na virada do século, quando vários importantes educandários foram criados.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

(17 de dezembro) Doutor Augusto Silva

O dr. Augusto José da Silva foi a maior intelectualidade que Lavras tem produzido. Se seus conhecimentos científicos e literários não fossem velados por grande modéstia, se a clínica não lhe houvesse tomado o melhor do tempo, ele pudera ter sido um dos escritores mais fecundos e aprimorados da literatura nacional. Suas produções, esparsas pela imprensa, são bastantes para corroborar o nosso asserto: a profundidade de seus conceitos vazados em linguagem rica e aprimorada revela extraordinária cultura intelectual. Meneava ele a língua vernácula com destreza e facilidade, e possuía um estilo conciso, de esquisito brilho, expressivo e forte.

Seria valioso serviço prestado às letras a publicação de algumas obras do dr. Augusto Silva, nas quais há muito que aprender. Compenetrar-se-á disso quem ler A Escrava, A Casa Branca, A Devota, O Soldado e esses verdadeiros mimos pela forma e pela essência, aos quais deu ele o nome de Farfalhas.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

(16 de dezembro) Álvaro Botelho

BOTELHO, Álvaro Augusto de Andrade
*dep. geral MG 1885; const. 1891; dep. fed. MG 1891-1899 e 1909-1917.
Álvaro Augusto de Andrade Botelho nasceu na vila de Lavras do Funil, atual cidade de Lavras, na então província de Minas Gerais, em 8 de fevereiro de 1860, filho do comendador José Esteves de Andrade e de Prudenciana de Paiva Botelho.
Concluiu os estudos preparatórios no Rio de Janeiro, então capital do Império, e bacharelou-se pela Faculdade de Direito de São Paulo em 1883. Ainda no período imperial foi eleito deputado geral por Minas Gerais em 1885. Retornando à terra natal, foi juiz municipal de 1886 a 1889. Foi também vereador, presidente da Câmara e agente executivo em Lavras, além de exercer a advocacia. Defensor dos ideais republicanos, foi atuante na propaganda republicana na cidade.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

(2 de dezembro) Coronel Tomás de Aquino

É o coronel Tomás de Aquino Alves de Azevedo um dos nomes guardados com maior acatamento pela tradição lavrense. Já se passaram 43 anos sobre sua morte, e até hoje os que o conheceram nesta cidade lembram-se com amor e gratidão, da figura venerável e bondosa daquele lavrense benfazejo. E quanto honra aos lavrenses conservarem tão duradouro reconhecimento a esse distinto conterrâneo que, pode-se dizer, consagrou toda a sua vida ao povo desta cidade!

Comemorando o nome do major Ferreira, digno filho do coronel Tomás, referimos que, em outros tempos, os médicos de carreira não sobravam para a clínica sertaneja, fazendo a necessidade de acudir aos enfermos que os homens mais inteligentes e altruístas se dedicassem ao mister de aplicar a medicina. O coronel Tomás de Aquino fora do número destes beneméritos.

domingo, 15 de novembro de 2015

(15 de novembro) Major João Ferreira

Entre os conterrâneos, cuja memória perdurará através de muitas gerações lavrenses, ocupa lugar de primeira plana o nome do major João Ferreira de Aquino, o major Ferreira, como popularmente era conhecido.

Herdara ele de seu pai, o coronel Tomás de Aquino, todas as qualidades de caráter, que fizeram popularíssimo aquele antigo lavrense. Era bom, acessível, franco e generoso.

sábado, 14 de novembro de 2015

(14 de novembro) Doutor Rodolfo Libeck

Chegou-nos ontem de tarde a inopinada notícia de haver falecido no Rio de Janeiro, para onde seguira no dia 12 do corrente, o sr. dr. Rodolfo Gustavo Libeck, que desde muito pertencia à sociedade lavrense, na qual gozava de justo apreço e amizade.

O sr. dr. Rodolfo Libeck pertenceu durante algum tempo ao corpo docente do Ginásio de Lavras, onde lecionava Alemão e Matemáticas. Nomeado depois diretor do núcleo colonial Nova Europa, no Estado de São Paulo, para lá transferiu sua residência. Nesse seu importante cargo teve o dr. Libeck ocasião de mostrar suas aptidões de extraordinário administrador, deixando entre os membros daquela colônia, todos procedentes do Império da Rússia e por conseguinte seus compatriotas, uma gratidão e admiração várias vezes manifestada, mesmo depois de sua saída daquele lugar.

domingo, 1 de novembro de 2015

Visita ao Pró-Memória do Instituto Presbiteriano Gammon

Comemorando o mês do aniversário de Lavras, os alunos do grupo "Túnel do Tempo" do CEDET fizeram uma visita especial ao Pró-Memória do Instituto Presbiteriano Gammon, escola centenária que muito contribuiu para o progresso da cidade. Lá foram recepcionados por nossa voluntária de longa data, a professora Vanda Amâncio Bezerra Mendes, a memória viva daquela instituição. 

Dona Vandinha, como também é conhecida, contou como os missionários presbiterianos vieram para Lavras em 1892 para fundar uma nova escola, além de comentar casos curiosos de sua infância quando era aluna interna no Colégio Kemper. Os alunos ficaram fascinados com a simpatia da coordenadora do Pró-Memória, e ainda receberam de presente uma antologia de poemas e textos de ex-alunos gammonenses por ela editada.

Veja as fotos:

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

(28 de outubro) Capitão Joaquim Tavares

No dia 28 de outubro faleceu em sua fazenda no distrito do Rosário, deste município, o capitão Joaquim Tavares Coimbra, que ali viveu 64 anos.

Suas nobres qualidades pessoais e seus sentimentos de patriotismo tornaram o capitão Tavares um dos homens mais estimados do Rosário, onde ele prestou excelentes serviços, como juiz da paz durante anos, subdelegado de polícia e procurador da igreja.

Foram ele e o comendador José Esteves os que promoveram, de sociedade, a construção da Ponte Nova, sobre o Rio Grande, entre este município e o de São João del-Rei.

terça-feira, 27 de outubro de 2015

(27 de outubro) Tenente Firmino Sales

Foi um homem de ação e de vontade o tenente Firmino Antônio de Sales. Educado na escola do dever e do trabalho, acostumado desde a infância a uma vida austera, sem conhecer nenhum dos vícios do mundo, ele imprimiu à sua existência um tal caráter de seriedade e de energia que a todos inspirava confiança e respeito. Se houvesse cursado estudos regulares, teria sido o tenente Firmino Sales um extraordinário homem de governo, com a sua prontidão de resolver e de executar, com a sua admirável dedicação ao trabalho, com o seu elevado tino administrativo. A ordem perfeita que reinava em sua fazenda, o esmero que se notava nas menores particularidades de seu lar, a linha de correção da qual ele não deixava afastar nenhum dos filhos, é coisa difícil de conseguir de um modo igual e constante.

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

(26 de outubro) Coronel José de Lima

Sobre o coronel José Antônio de Lima, o homem que até o presente maior influência exerceu no distrito de São João Nepomuceno, deste município, endereçou-nos as seguintes linhas o sr. tenente Licas de Lima:

“O coronel José Antônio de Lima faleceu em 26 de outubro de 1881 com 58 anos de idade. Foi proprietário neste Estado e no de São Paulo, assim como negociante no Rio de Janeiro.

“O coronel Lima revelou sempre em seus atos muita energia e atividade. Seu notável espírito de ordem e de economia dava idéia de que ele seria um hábil financeiro deste país, se tivesse seguido à carreira das ciências.

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

(15 de outubro) Dia dos Professores - Discurso de Firmino Costa

"Há de o professor ter amor à sua profissão, para servi-la proveitosamente, para acompanhar os progressos dela; há de o professor compenetrar-se de sua nobre posição na sociedade e de sua real influência na formação do caráter nacional, e, conseguintemente, nos destinos da pátria; não pouco dependerá dele a felicidade futura de seus alunos; em muito influirá ele para a verdadeira prática do regime democrático; da escola cabe-lhe fazer um prolongamento do lar; do ensino importa-lhe fazer uma ocupação alegre e atraente para seus discípulos. Cumpre ao professor cuidar da educação de cada aluno sem outra distinção que a do mérito próprio de cada um deles: com este culto constante rendido à justiça, o educador concorrerá eficazmente para que o menino não venha a ser um revoltado contra a sociedade, e sim um cooperador sincero do regime soberano do direito". 

[Prof. Firmino Costa, Discurso de Inauguração do 
Grupo Escolar, 1907]

terça-feira, 13 de outubro de 2015

(13 de outubro) Aniversário de Lavras

De acordo com decreto de 13 de outubro de 1831, as seguintes povoações foram elevadas à categoria de vila: Curvelo, Tijuco (atual Diamantina), Pouso Alegre, Rio Pardo (de Minas), São Manoel do Pomba (hoje é Rio Pomba), Vila Risonha de Santo Antônio da Manga de (São Romão) e LAVRAS DO FUNIL.

A elevação à vila representa a emancipação política de uma freguesia através da criação de uma Câmara Municipal própria.

Em 20 de julho de 1868 uma lei provincial eleva a vila das Lavras do Funil à categoria de cidade, agora passando a se denominar apenas Lavras.

Esta confusão de datas fez com que de 1914 a 1978 o feriado de aniversário fosse comemorado no dia 20 de julho. A data de 13 de outubro foi definida pelo prefeito Maurício Pádua nos preparativos para as comemorações do Sesquicentenário de Lavras, em 1981.

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

(9 de outubro) Romão Fagundes

O registro de óbito deste que foi o fundador do arraial de Perdões, de nosso município, está assim concebido à folha 37 v. do livro respectivo:

“No ano de mil oitocentos e vinte e seis, no mês de outubro, falecendo com todos os sacramentos, o Sargento-Mor Romão Fagundes do Amaral de oitenta e quatro anos, casado com d.ª Maria José da Encarnação, foi acompanhado pelo padre Manuel Machado e pelo vigário Aleixo Antônio da Mota, encomendado pelo mesmo e sepultado dentro da capela do Senhor Bom Jesus dos Perdões, de que fiz este assento. O vigário encomendado Francisco de Paula Diniz”.

terça-feira, 6 de outubro de 2015

(6 de outubro) D.ª Vitória de Paiva

No dia 6 do corrente, às sete horas da noite, faleceu nesta cidade a ex.ma d.ª Vitória Maria de Paiva, digna professora do Grupo Escolar.

Nomeada por ato de 29 de abril de 1897 professora da segunda cadeira do sexo masculino desta cidade, a ex.ma d.ª Vitória de Paiva exerceu aqui o magistério desde 26 de julho daquele ano, data em que tomou posse, até ser transferida, em 29 de abril do ano passado, para este estabelecimento de ensino. Aqui, no Grupo Escolar, ela não poupou esforços para o desempenho de seus deveres, procurando por em prática a reforma da instrução e interessando-se pela elevação de sua aula. Dotada que era de muitas virtudes, d.ª Vitória de Paiva foi um exemplo de dedicação ao trabalho e de sacrifício pelo bem de seus filhinhos. Mãe de família verdadeiramente carinhosa, ela não se cansou de promover a felicidade de seu lar, e talvez devido a seus múltiplos trabalhos foi-lhe enfraquecendo o organismo, que a última enfermidade encontrou já sem forças bastantes para triunfar da morte.

sábado, 3 de outubro de 2015

Trem de Passageiros entre Lavras e Três Corações

TREM DE PASSAGEIROS ENTRE LAVRAS E TRÊS CORAÇÕES - RELEASE


O Sul de Minas está prestes a ter de volta um pouquinho do que foi perdido há vários anos atrás: trens carregando gente. Pelo esforço de anos de vários entusiastas do transporte ferroviário, Lavras e Três Corações podem começar a se preparar para andar novamente de trem. Este trem poderá se chamar “EXPRESSO DO REI”. 

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

(2 de outubro) Major Joaquim de Abreu

Em 2 de outubro de 1887 faleceu o major Joaquim Antônio de Abreu, aos 85 anos de idade.

É este um nome que merece a gratidão dos lavrenses. O major Joaquim de Abreu foi um dos que mais trabalharam pelo progresso de Lavras. Para todos os benefícios públicos de seu tempo ele cooperou com a sua bolsa e quase sempre também com a sua pessoa.

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

(24 de setembro) Coronel Joaquim Francisco da Costa

Foi um homem de caráter e de ação o coronel Joaquim Francisco da Costa. Ao distrito de Perdões, deste município, onde ele residiu por longos anos, prestou o venerando coronel serviços valiosos. Nem àquele distrito nem ao nosso município ele jamais recusou o seu trabalho de verdadeiro patriota: serviu com toda a dedicação os cargos de vereador, de juiz de paz, de subdelegado de polícia, de inspetor escolar, e não só uma vez, porém diversas.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

(21 de setembro) Doutor José Esteves

Para comemorar esta data com enorme saudade transladamos alguns trechos da notícia que escrevemos há três anos:

Bem poucas vezes sentiu esta cidade tão grande abalo como o que lhe causou a morte do dr. José Esteves de Andrade Botelho. Era de razão que assim fosse: a esse distinto lavrense consagrava o povo uma estima tão grande quanto sincera. O dr. José Esteves conquistara essa estima com a sua vida prestimosa, com sua bondade constante, com a sua adorável modéstia, com o seu amor.

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

(16 de setembro) Padre José Bento Ferreira de Mesquita

Padre José Bento
Ferreira de Mesquita
(1825  1893)
José Bento Ferreira de Mesquita nasceu em Três Pontas, em 1825. Sentindo-se chamado por Cristo, seguiu para Mariana onde estudou e recebeu o sacramento da Ordem em 1856. No ano seguinte, o padre se dirigiu para Lavras, tornando-se pároco de Sant’Ana pelos próximos 35 anos – recorde que ainda permanece. O professor e historiador Firmino Costa escreveu que o padre José Bento se notabilizava por sua “hospitalidade, que nunca recusou a quem quer que fosse, e a caridade que jamais cansou de praticar”. Diz-se que era tão hospitaleiro, acolhendo todos os viajantes sem distinção, que esta era a razão pela qual não existiam hotéis ou pensões na cidade. Também ajudou na edificação da Santa Casa de Misericórdia.

Faleceu em 1893, mas sua memória nunca foi esquecida. Quando da reforma de seu túmulo, em 1960, uma misteriosa água começou a brotar da terra. Desde então, tradicionalmente os fiéis lá comparecem para se benzerem com a água. Segundo um levantamento realizado pelos devotos do vigário, disponível no arquivo da paróquia de Sant’Ana, nos últimos cinquenta anos mais de 250 pessoas registraram graças e curas alcançadas por intermédio do grandioso padre José Bento.

domingo, 13 de setembro de 2015

(19 de junho) Zenita Guenther

Geovani Németh-Torres, Agosto de 2015 

* Publicado na Wikipédia

Zenita Cunha Guenther, PhD, (Cruzeiro, 19 de junho) é doutora em Psicologia da Educação e mestre em Orientação e Aconselhamento Psicológico pela Universidade South Florida. Há 40 anos vem se dedicando à pesquisa e prática em Educação Especial para Dotados e Talentosos, envolvida na formação de professores em todos os níveis de ensino.

sábado, 5 de setembro de 2015

Centro para Desenvolvimento do Potencial e Talento

Geovani Németh-Torres, Março de 2011 (atualizado em Agosto de 2015) 

 * Publicado na Wikipédia

O Centro para Desenvolvimento do Potencial e Talento (CEDET) é um centro de Educação Especial idealizado pela educadora Zenita Guenther como um espaço físico e social estruturado para a dinamização da metodologia CEDET – “Caminhos para Desenvolver Potencial e Talento”, cuja proposta é construir um ambiente de complementação e suplementação educacional de apoio ao aluno dotado e talentoso matriculado em diferentes escolas, nos diversos sistemas e níveis de ensino [2]. 

A organização do CEDET apóia-se em um referencial teórico construído em bases derivadas do pensamento humanista em Educação, como documentado em Helena Antipoff, Abe Maslow, Art Combs, seus seguidores e colaboradores. Nessa maneira de pensar, a Educação abraça o compromisso de proporcionar oportunidade, intencionalidade e direção ao projeto educativo da criança talentosa e mais capaz, centrado não especificamente nos sinais de talento captados, mas nas áreas básicas à formação humanista: a própria pessoa (autoconceito); convivência com os outros (conceito do Outro) e relações com o ambiente (visão de mundo) [2]. 

sábado, 29 de agosto de 2015

Igreja Matriz de Sant'Ana

Geovani Németh-Torres, Novembro de 2011 (atualizado em Agosto de 2015) 

* Publicado na Wikipédia

A igreja matriz de Sant'Ana é o principal templo católico da cidade de Lavras, Minas Gerais. 

História

A atual Igreja de Nossa Senhora do Rosário de Lavras, construída entre 1751 e 1754, era originalmente a igreja matriz de Sant'Ana, até a construção da nova matriz, em 1917 [1].

Os planos para dotar a cidade com uma nova igreja que refletisse o espírito progressista da Belle Époque datam pelo menos de 1893, quando a paróquia é assumida pelo padre Francisco Severo Malaquias. Contudo, a construção do novo templo só começaria em 29 de junho de 1904, em terreno comprado do capitão Evaristo Alves de Azevedo por três contos de réis. Não foi uma obra simples; o custo total da construção foi de quase 120 contos de réis, recursos estes arrecadados graças ao intenso trabalho do pároco Malaquias, de seu sucessor, o padre Castorino de Brito, e de decisivo apoio da população. Um aspecto curioso daquela época é que, entre 1910 e 1911, operou na nave da Matriz ainda em construção o Cinema Sul-Mineiro, um dos primeiros de Lavras [2]. Finalmente, em 9 de setembro de 1917, a nova matriz foi sagrada pelo bispo de Campanha, Dom João de Almeida Ferrão.

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Igreja de Nossa Senhora do Rosário

Geovani Németh-Torres, Dezembro de 2010 (atualizado em Agosto de 2015)

* Publicado na Wikipédia.

A igreja de Nossa Senhora do Rosário é a construção mais antiga da cidade de Lavras, Minas Gerais.

História

O nome original do templo era capela de Sant'Ana, quando de sua edificação, entre 1751 e 1754. Ela foi elevada à condição de igreja Matriz em 1760, após a transferência da sede paroquial que até então ficava em Carrancas. Em 1765 era terminada a construção da nave-mor da Matriz [1].

No início do Século XIX foi construída uma igreja em homenagem à Nossa Senhora do Rosário que ficava onde hoje é o alto da Praça Leonardo Venerando. Esta edificação foi demolida em 1904, quando se iniciava a construção da nova Matriz de Sant'Ana. Em 1917 esta foi inaugurada, havendo assim a troca de nomes das igrejas: a velha Matriz passa a ser a igreja do Rosário.

sábado, 15 de agosto de 2015

História do Museu Bi Moreira

Geovani Németh-Torres, Setembro de 2011 (atualizado em Agosto de 2015)

* Publicado na Wikipédia.

Museu Bi Moreira é um museu de cunho histórico localizado no Campus Histórico da Universidade Federal de Lavras (UFLA).

Fundado em 1949, o museu conta com peças de grande valor histórico e cultural que mostram a cultura e história de Lavras, Minas Gerais e do Brasil, como instrumentos de tortura de escravos, materiais usados durante as duas Guerras Mundiais além de arquivos fotográficos e de documentos em geral.

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

História de Lavras

Geovani Németh-Torres, Julho de 2011 (atualizado em Janeiro de 2016) 

 * Publicado na Wikipédia.

I – Início do povoamento 

Francisco Bueno da Fonseca (c. 1670-1752), líder de uma revolta contra um desembargador português em São Paulo em 1712 [1], veio, junto de seus filhos e outros sertanistas, a se estabelecer na região dos rio Capivari e rio Grande abaixo pelos anos de 1720 [2] ou 1721 [3]. Estes primeiros habitantes eram paulistas da vila de Santana do Parnaíba, e poucos anos depois de sua chegada, fundariam o arraial dos Campos de Sant’Ana das Lavras do Funil, em 1729 [4]. Nesta região, a família de Bueno da Fonseca estava empenhada na busca do ouro e também na abertura de novos caminhos até às Minas dos Goiases. Em 1737 os exploradores receberiam do governador Martinho de Mendonça uma carta de sesmaria confirmando a ocupação da terra, que se despontava na agricultura e pecuária. 

Em 18 de junho de 1759, Bartolomeu Bueno do Prado, neto do famoso Anhanguera e genro de Francisco Bueno da Fonseca, partiu do povoado à frente de sua tropa de quatrocentos homens, convocados de toda a capitania, para desbaratar a confederação quilombola do Campo Grande. A influência dos capitães-mores da família Bueno da Fonseca contribuiu para o rápido desenvolvimento do povoado: em 1760 este já possuía mil habitantes, o dobro de Carrancas, o que determinou a transferência da sede paroquial para a localidade mais populosa [5]. Em 1813 o arraial fora elevado à categoria de freguesia, quando do desmembramento de Carrancas. Possuía então 6 capelas curadas e 10.612 almas. 

sábado, 8 de agosto de 2015

(8 de agosto) Alferes Francisco Alves de Azevedo

É hoje o segundo aniversário da morte do alferes Francisco Alves de Azevedo.

Possuiu esse lavrense qualidades raras, que sua modéstia e delicadeza não deixaram resplender aos olhares de todos. No recesso, porém, de seu lar ele foi útil e benfazejo para muitos, guardando sempre reserva do bem que praticava. A sós com quem lhe recorria, conhecemos mais de um exemplo, ele confiantemente servia, com franqueza e sinceridade, sem perquirir mágoas, sem manifestar a ninguém o ato louvável que fizera.

sábado, 1 de agosto de 2015

"Minha Aldeia - A Pérola do Rio Grande", por Márcio Salviano Vilela

Márcio Salviano Vilela é um daqueles historiadores não-profissionais que consegue ser mais produtivo e relevante que muitos acadêmicos dos círculos universitários. Autor de várias obras de referência para a historiografia regional, eis que recentemente Márcio publicou mais um valioso trabalho sobre sua cidade natal, Ribeirão Vermelho. 

O livro "Minha Aldeia - A Pérola do Rio Grande. Apontamentos Históricos do Distrito de Ribeirão Vermelho, Comarca de Lavras, Estado de Minas Gerais, Brasil, 1901-1948", editado pela Indi (2014), se destaca à primeira vista pela dimensão: são 736 páginas! Seu conteúdo descreve com minúcia o processo de ocupação das terras adjacentes ao rio Grande na localidade outrora denominada Porto Alegre, que hoje é o município de Ribeirão Vermelho, um dos menores de Minas Gerais.

sábado, 25 de julho de 2015

(25 de julho) Pedro Rodrigues Monteiro

É hoje o primeiro aniversário da morte de Pedro Rodrigues Monteiro.

Quem fosse julgar esse homem pelas aparências, talvez o acoimara de egoísta e mesmo de avarento, tanto trabalhava ele para guardar, tanto economizava ele para deixar, vivendo solteiro, afastado da cidade, lá na sua fazenda, modesto no seu traje, delicado em seus modos e honrado sempre em seus negócios. Para que tanto trabalhar e economizar, ele que não quisera constituir família! Trabalhava e economizava para os pobres... ouvimos que ele respondera uma vez a alguém.

(25 de julho) José Custódio de Mesquita

Cada qual, na sua esfera, pode ter adquirido direito a um lugar honroso entre os que foram mais úteis à sociedade, em cujo seio viveram. Não só a ilustração e o dinheiro sabem fazer jus a tais lugares, também o trabalho aliado à virtude pode conquistá-los. E aquele que durante a vida, foi para o seu meio social exemplo permanente de homem operoso e honesto, deixou sem dúvida um nome que merece ser comemorado.

sábado, 18 de julho de 2015

Antigos Vitrais da Matriz de Sant'Ana


Vitrais da igreja, destruídos no início dos anos 1990

Você já reparou nos atuais vitrais da igreja matriz de Sant'Ana? Pois é... eu também não! São vidros chochos, sem graça, bem diferentes dos antigos vitrais coloridos e com imagens sacras que existiam até o começo dos anos 1990. Há quem diga inclusive que, em determinada hora da tarde, a nave da igreja naturalmente ia se escurecendo enquanto os raios do sol atravessavam os vitrais e iluminavam o sacrário no altar, criando um belo efeito visual.

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Dissertação sobre a Praça da Estação em Lavras

Dissertação de aluna da Ufla mostra apogeu e decadência da Praça da Estação em Lavras  


13 de julho de 2015

A pesquisadora Iracema Alves
A pesquisadora Iracema Clara Alves Luz

quinta-feira, 9 de julho de 2015

quarta-feira, 8 de julho de 2015

7° Encontro de Veículos Antigos de Lavras acontecerá neste final de semana

7° Encontro de Veículos Antigos de Lavras acontecerá neste final de semana

A exposição de carros antigos já virou tradição na cidade de Lavras que tem importantes colecionadores.
A exposição de carros antigos já virou tradição na cidade de Lavras onde há importantes colecionadores.
Neste final de semana, dias 11 de julho, a partir das 13h e 12 de julho o dia todo, acontecerá, na Praça Doutor Augusto Silva o 7° Encontro de Veículos Antigos de Lavras, organizado pelo Clube dos Veículos Antigos de Lavras (CVAL) com apoio da Prefeitura Municipal por meio da Secretaria de Cultura.

terça-feira, 2 de junho de 2015

(2 de junho) Capitão José Ribeiro

O Capitão José da Costa Ribeiro faleceu em 2 de junho de 1877.

Na tradição lavrense é um dos mais frisantes exemplos de energia e de perseverança.

Trabalhador agrícola, pequeno proprietário rural e depois advogado, a sua vida é um ensinamento do quanto pode a força de vontade aliada à inteligência.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

(15 de maio) Carlota Kemper

Carlota Kemper foi uma grande professora americana que, junto de Samuel Gammon, fundou um renomado educandário presbiteriano em Lavras.

Charlotte, cujo nome foi aportuguesado
para Carlota, foi professora e missionária
presbiteriana em Lavras por 35 anos
Charlotte Kemper enquanto lecionava no
Mary Baldwin College (Augusta Female Seminary),
Virgínia, Estados Unidos


quarta-feira, 13 de maio de 2015

Livro: “Vida Escolar” de Firmino Costa (1907-1908)

Vida Escolar” de 
Firmino Costa (1907-1908)

Organização e Notas por Geovani Németh-Torres

Vida Escolar foi um jornal redigido entre 1907 e 1908 pelo professor Firmino Costa, primeiro diretor do Grupo Escolar de Lavras (hoje uma escola estadual que leva seu nome). Trata-se de uma publicação multitemática de grande valor para a História da Educação no Brasil, devidamente analisada por vários autores e pesquisadores; além disso, é também o marco primordial da historiografia lavrense, amplamente citado em todos os trabalhos subsequentes sobre a cidade a tratar de suas origens até o início do Século XX. Foi considerando estes fatores que essa nova edição foi concebida, de modo a não apenas preservar o legado de Firmino Costa, mas também difundi-lo a todos os interessados, notavelmente a seus conterrâneos lavrenses que tanto se beneficiaram com as realizações do ilustre educador. Para tal o conteúdo integral de Vida Escolar foi organizado num único volume segundo seus principais eixos temáticos, e enriquecido com mais de trezentas notas de rodapé com diversos dados complementares. Assim, espera-se que este esforço facilite e amplie o rol de informações pertinentes para os estudos da História da Educação e, principalmente, que ajude a compreender melhor o passado da cidade a qual Firmino Costa tanto amou e engrandeceu.

domingo, 10 de maio de 2015

(10 de maio) Tenente-Coronel José Rodrigues

O tenente-coronel José Rodrigues de Alvarenga foi um dos homens mais prestimosos do distrito de Perdões, deste município. Seu espírito liberal, suas maneiras afáveis, sua franqueza sincera e sua força de vontade por longo tempo influenciaram beneficamente aquele adiantado distrito. 

sábado, 9 de maio de 2015

(9 de maio) Dr. Francisco Martins de Andrade

O dr. Francisco Martins de Andrade nasceu em Uberaba, mas podemos considerá-lo como filho desta cidade: ainda menino, ele veio para Lavras cursar o colégio do padre Flávio de Almeida e aqui ele se casou quando terminava o curso de Direito. Depois de graduar-se na faculdade de São Paulo, ele veio exercer a advocacia nesta cidade, ocupando pouco tempo depois o cargo de promotor público, no qual se mostrou enérgico cumpridor de seus deveres. 

sábado, 2 de maio de 2015

Teatro Municipal (1862-1917-1962)



Em 1862, foi inaugurado em Lavras, o Teatro SANT'ANA. Anos mais tarde, o sr. Francisco Pizzolante arrendando o imóvel que pertencia à prefeitura, reformou e construiu o Teatro Municipal, uma réplica do Scala de Milão.

terça-feira, 21 de abril de 2015

(21 de abril) Cincinato de Pádua

Faz hoje dois anos que esta cidade amanheceu sob a notícia, de todo inesperada, da morte de Cincinato de Pádua. Ainda na véspera, quinta-feira santa, ele assistira às solenidades religiosas, e eis que no dia seguinte não mais acordara para este mundo!

segunda-feira, 20 de abril de 2015

(20 de abril) Comendador José Esteves

É o nome do comendador José Esteves de Andrade Botelho uma das tradições mais caras para esta cidade. Foi ele talvez, quem maior influência exerceu em nosso meio social: em todos os melhoramentos auferidos no seu tempo por este lugar, ele figurou como um dos principais iniciadores, como um dos mais esforçados fautores. Espírito admiravelmente atilado, cavalheiro de finíssimo trato, dotado de caráter rígido, de ânimo generoso e de notável atividade, o comendador José Esteves foi o chefe político mais prestimoso do município, o lavrense mais popular de nossa terra.

quarta-feira, 15 de abril de 2015

O Silo

Construído no fundo da chácara do Instituto Gammon, foi o primeiro silo aéreo, de alvenaria, edificado em Minas Gerais e talvez no Brasil. A data de sua construção ainda não nos foi possível confirmar mas creia-se que foi por volta de 1916, segundo algumas informações.

O Silo da Escola Agrícola foi construído de tijolos e, nesse caso, as paredes precisam ser bastante fortes para resistir o peso da coluna de ensilagem...

... As paredes do lado de dentro precisam ser perfeitamente lisas, sem saliências de qualidade alguma, desde a parte mais alta até o alicerce. Qualquer diferença na largura das paredes deve ficar do lado exterior e nunca no interior.

sábado, 11 de abril de 2015

Cronologia da Escola Agrícola / ESAL / UFLA

EFEMÉRIDES DA UFLA

1907 - Benjamin Hunnicutt chega ao Brasil para implantar a Escola Agrícola.

1908 - É fundada a Escola Agrícola de Lavras.

1909 - É inaugurado "O Prédio" no recinto do Instituto. A Escola Agrícola de Lavras importa dos Estados Unidos a raça de porcos Duroc-Jersey.

1910 - Pelo decreto 8319, de 20 de Outubro é regulamentado, pelo Governo Federal, o ensino agrícola.

quarta-feira, 8 de abril de 2015

A importância da fundação de uma Escola Agrícola

"O que necessitamos mais, porém, no desenvolvimento do ramo industrial de nosso trabalho, é fundar uma Escola Agrícola. O Brasil é essencialmente um país agrícola, e Minas e os estados limítrofes têm a principal fonte de sua riqueza nos produtos do solo. Por isso o que mais preocupa os homens de Estado é a questão agrícola. 

Vistas estas coisas e nossa vontade de cooperar mais eficazmente para o engrandecimento do país, desejamos ardentemente organizar, como parte importante de nosso trabalho industrial, uma modesta Escola Agrícola. Onde há um moço que se destina a uma carreira literária, há cinco ou dez que desejam se preparar para a vida de lavrador. Desejamos, pois, proporcionar a estes rapazes, meios de se prepararem convenientemente para a vida de agricultor. 

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Procissão da Semana Santa em Lavras (1908)

Procissão em Lavras, década de 1920 (Arquivo da UFLA)
(Grafia original)

"A Semana Santa correu como nos annos anteriores: as mesmas ceremonias, as mesmas procissões. 

Do meu camarote, isto é, da minha janella, assisti com curiosidade e interesse o desfilar do povo em dupla fila, empunhando velas accesas, como um bando de vagalumes enormes, em formatura. Iam todos compenetrados, com aquellas phisionomias solemnes que caracterizam os mineiros; velhos de longas barbas brancas, rapazes e crianças, de olhos espantados e irriquietos, e no fim o longo acompanhamento de homens, senhoras e senhorinhas, formando uma multidão silenciosa, respeitosa e ordeira. 

quarta-feira, 1 de abril de 2015

O vapor Dr. Jorge

O Vapor Dr. Jorge, era pequeno cargueiro que recebeu o nome de Dr. Jorge em homenagem prestada ao Dr. Jorge da Silva, pelos seus meritórios serviços e constante dedicação em prol da navegação do Rio Grande.

A navegação do Rio Grande se deu em 19 de dezembro de 1880 mas somente teve começo regular em janeiro de 1881, fazendo o vapor "Dr. Jorge", uma viagem semanal entre Ribeirão Vermelho, próximo a Lavras, e as proximidades da Cachoeira Bocaina, no município de Piumhi, pontos onde havia estações.

quarta-feira, 25 de março de 2015

Sobre a tragédia e feiúra da urbanização de Lavras: tradições seculares (1903, 1925)

"O aspecto de muitas ruas é entristecedor, cortadas aqui e ali de falhas nas edificações, ladeadas de muros velhos e de terrenos em abandono ou tapados de cercas grosseiras e mal alinhadas (...). É uma falta de esmero do gosto que entre nós ainda não penetrou, de esmero pelo aspecto exterior das nossas habitações" (Álvaro Botelho).

Fonte: Relatório apresentado à Câmara Municipal de Lavras, 1903, p. 17.

*     *     *

sábado, 21 de março de 2015

Oficinas da Estrada de Ferro Oeste de Minas (1918)

...em ruínas, porém ainda mais bela que muitos edifícios modernos recém construídos em nossa cidade.

quarta-feira, 18 de março de 2015

Lavras vai à Guerra! (1917)

Eis a curiosa manchete do jornal lavrense "O Município" sobre a Declaração de Guerra pelo governo do presidente Wenceslau Braz à Alemanha em 1917: "Combate ao analfabetismo e aos bárbaros!"

Sabe-se que a contribuição brasileira na I Guerra Mundial foi modesta, porém o país ficou no lado dos vencedores. Não obstante, a "guerra ao analfabetismo" já dura quase cem anos com mais derrotas que vitórias...

Após a Declaração de Guerra de 1917, chegou a ocorrer em Lavras convocações e alistamentos de soldados, que não chegaram a entrar em combate. Data desta época a criação do "Tiro de Guerra", a Escola de Instrução Militar instituída em 7 de março de 1916. Uma curiosidade: terminado o conflito, o excedente dos recursos destinados ao treinamento militar acabou sendo usado para criar o primeiro estádio de futebol do Lavras Sport Club, o atual campo da Olímpica.

sábado, 14 de março de 2015

Saudades da Monarchia (1914)

Folha de Lavras. Lavras, Ano XXI, n. 919, 13 set. 1914

Saudades da Monarchia...

Republica é, não ha negar, o regimen de governo idéal para os povos fortes e Moraes, cujo gráu de civilização coincida com uma índole ordeira e intelligente, talcomo se dá com a Repubica dos Estados Unidos da America do Norte, o unico governo republicano organisado e forte no mundo.

quarta-feira, 11 de março de 2015

Colônia Italiana em Lavras (1909)

Segue uma nota do jornal Folha de Lavras, de 14 de fevereiro de 1909.

A colonia Italiana de Lavras, confiadonos sentimentos humanitarios nunca desmentidos do povo que a hospeda, supplica-lhe um socorro para sobreviventes da grande catastrophe da Calabria e Sicilia, que enlucteceu a Italia, e encheu o mundo de piedade e horror.

sexta-feira, 6 de março de 2015

(6 de março) Sílvio do Amaral Moreira

Sílvio do Amaral Moreira
(15/07/1912 – 06/03/1994)
Bi Moreira foi “o mais lavrense de todos os lavrenses”, segundo Hugo de Oliveira; “a memória viva de Lavras”, de acordo com José Alves de Andrade; ou, conforme ele mesmo, “alguém que deve purgar sozinho o pecado de pensar em alguma coisa que aproveita mais aos outros do que a si próprio”.

Indubitavelmente, Bi Moreira foi um dos maiores incentivadores da cultura lavrense, um exemplo de tenacidade na busca de um ideal. Filho de José Moreira de Alvarenga e Altina Moreira do Amaral, nascera numa época de grande progresso em Lavras. O apelido de “Bi Moreira”, como nos conta José Alves de Andrade, surgiu nos tempos de infância, pois ele só conseguia pronunciar a primeira sílaba de “Bino”, abreviatura pela qual chamavam seu tio Urbino Amaral, o que causava certa hilaridade.


quinta-feira, 5 de março de 2015

(5 de março) John Henry Wheelock


John Henry Wheelock
(21/01/1898 05/03/1961) 
 John Henry Wheelock nasceu em 21 de janeiro de 1898 na pequena cidade de Colfax em Iowa, Estado americano de grande tradição agrícola. Diplomou-se em 1920 em Agronomia no Iowa State College e em 1921 no Agricultural and Mechanical College of Texas.

Veio para o Brasil em 1922, lecionando na UFLA quando então era apenas Escola Agrícola de Lavras. Trata-se de uma época marcante, pois foi quando se deu a I Exposição Agropecuária e Industrial de Minas Gerais, o lançamento da revista “O Agricultor”, a inauguração do prédio Álvaro Botelho (sede do Museu Bi Moreira) e a organização do Grêmio Agrícola (ancestral do DCE).



sábado, 28 de fevereiro de 2015

O Entrudo: o Carnaval Lavrense (1896)

Como era o carnaval de Lavras, exatos 116 anos atrás? Vejamos o que diz o jornal "Cidade de Lavras", n. 106, de 23 de fevereiro de 1896:

Os folguedos carnavalescos, este anno, transformaram-se em folguedos aquaticos.

Apenas uma meia dizia de mascaras deram o ar de sua graça no ultimo dia de carnaval.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Crise na Educação (1895)

A Faísca. Perdões de Lavras, Ano II, n. 54, 11 ago. 1895


As Escolas

Ninguem ignora que nossas escolas estão quasi abandonadas, tal é o descaso da maioria dos professores no concernente ao adeantamento e á moralidade dos alumnos. Ellas estão quasi todas entregues a uns sinecuristas que parecem terem em vista mais cabalar a favor dos candidatos da chapa governamental do que ensinar meninos.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Lavras no Almanak Laemmert (1885)

Fonte: ALMANAK ADMINISTRATIVO, MERCANTIL E INDUSTRIAL DO IMPERIO DO BRASIL PARA 1885 - 42.º ANNO. Rio de Janeiro: Laemmert & C., 1885, pp. 441-443.


[p. 441] LAVRAS, Municipio de

Ao qual pertencem as freguezias da cidade, Bom Jesus dos Perdões, S. João Nepomuceno, Bom Jesus da Canna Verde e Nossa Senhora do Carmo de Luminarias.

O trabalho de mineração foi a causa de fundar-se esta povoação, que teve o apropriado nome de Lavras, e que por decreto de 19 de Junho de 1813 foi elevada a parochia. A resolução de 13 de Outubro de 1831 tornou villa a freguezia, sendo a 14 de Agosto de 1832 installado municipio, de que era séde Lavras, que a Lei n. 1510 de Julho de 1868 elevou á categoria de cidade.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Lavras do Funil, a Cidade do Rio Grande? (Projeto de Lei de 1859)

Há exatos 155 anos ocorreu na Assembléia Provincial em Ouro Preto uma sessão que potencialmente poderia alterar a história de Lavras. Conforme se lê nas páginas do Correio Oficial de Minas, Ano III, n. 246, de 16 de maio de 1859, no dia 5 daquele mês foi levado à discussão um projeto de lei que propunha a elevação da vila de Lavras do Funil à categoria de cidade, com o nome de Cidade do Rio Grande.

sábado, 14 de fevereiro de 2015

Lavras do Funil (Saint-Adolphe, 1845)

LAVRAS DO FUNIL. Pequena Villa da provincia de Minas Geraes, 15 legoas ao nordeste da cidade de Campanha, e 40 ao oestesudoeste da d’Ouro-Preto, em 21 graos 17 minutos de latitude. Teve principio em 1720, época em que se descobriram em suas adjacencias alguns vieiros d’ouro abundantes que forão lavrados pelos Paulistas, aos quaes se aggregárão muitos dos moradores da provincia, os quaes, applicando-se especialmente ao amanho e cultivo das terras, vendião por alto preço aos mineiros os viveres de que necessitavão. Havia-se edificado uma igreja a N. S. da Conceição, que foi tida em conta de parochia desde o anno de 1724, posto que não alcancasse definitivamente este titulo senão no anno de 1813, por uma resolução regia de 19 de Julho, que a annexou ao districto da Villa de São-João-d’ElRei. Foi freguezia a final creada Villa por lei de 13 d’Outubro de 1831, que lhe assignalou por districto o termo de sua freguezia e o de Dores-do-Pantano. A maior parte das ruas que ainda estão por calçar, são tortuosas; só uma é direita e se distingue por sua largura, tendo num topo a igreja matriz e noutro a igreja de Santo Antonio. As casas de sobrado são raras. No alto existe outra igreja, da invocação de N. S. do Rozario, que se avista de longe. Construiu-se nesta vila uma cadeia cujo primeiro andar serve de casa de câmara(...). Esgotadas as minas aplicaram-se os habitantes à agricultura, comércio, e outros ramos de indústria; assim observa-se neles certo ar de opulência que raramente se encontra naqueles que se obstinam na extração de ouro que se tornou raríssimo. Vê-se nessa vila oficinas de sapateiros e alfaiates. As mulheres fiam e fazem teias de algodão, ao passo que os escravos se ocupam em descaroçá-lo com um engenho próprio para este fim. O algodão fiado, como o que se acha em rama, é transportado para o Rio de Janeiro em bestas muares, e em carros puxados por bois que o levam até a vila de São João del-Rei. Vários ribeiros e rios fertilizam o distrito desta nova vila, o qual se acha circunscrito ao norte pelo Rio Grande, e ao sul pelo Verde, tributário do Sapucaí. Cultivam-se nele em abundância algodoeiros, e colhe-se igualmente grande quantidade de milho, arroz, feijões, laranjas, e vários frutos do país, posta de parte a lavra do trigo, depois que os europeus e americanos abasteceram de farinha todas as vilas e cidades marítimas do Brasil. Avalia-se a população d’este districto em 12,000 habitantes.

:-:-:

Fonte: SAINT-ADOLPHE, J. C. R. Milliet de. Diccionario Geographico, Historico e Descriptivo, do Imperio do Brazil. Paris: J. P. Aillaud, 1845, tomo I, pp. 556-557.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Lavras de Ouro na Freguesia de Sant’Ana das Lavras do Funil (Von Eschwege, 1833)

Fonte: Von ESCHWEGE, Wilhelm Ludwig. "Freguesia de Sant'Ana das Lavras do Funil". In: Relação de todas as lavras de ouro de cada distrito da Província de Minas Gerais, incluindo o nome dos proprietários, situação e natureza das lavras, número de trabalhadores e produção total em 1814. In: Pluto Brasiliensis: Memórias sobre as riquezas do Brasil em ouro, diamantes e outros minerais, v. 2, pp. 58-59. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1944. Série Brasiliana, 257. (Publicado em 1833 em Alemão, Berlin: G Reimer).

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

(5 de fevereiro) Doutor José Jorge da Silva

Tendo de dar, na história de Lavras, notícia da adesão da Câmara Municipal à revolução de 1842, apresenta-se o ensejo de comemorar o nome do dr. José Jorge, falecido em 5 de fevereiro de 1880, um dos chefes mais prestigiosos daquele movimento e um dos homens mais benemerentes desta cidade, à qual ele dedicou, por mais de quarenta anos, o melhor de seu cultíssimo espírito e de seu entranhado amor ao progresso. 

Melhor homenagem não podemos prestar ao grande mineiro do que transcrever o seguinte elogio de sua vida, feito em sessão do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro pelo cons. Olegário Herculano de Aquino e Castro: 

sábado, 31 de janeiro de 2015

Visita Pastoral do Bispo de Mariana (1824)

Fonte: TRINDADE, Dom Frei José da Santíssima. Freguesia de Santana de Lavras do Funil. In: Visitas Pastorais de Dom Frei José da Santíssima Trindade (1821-1825). Belo Horizonte: Centro de Estudos Históricos e Culturais; Fundação João Pinheiro; Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais, 1998, pp. 227-231. Coleção Mineiriana.

FREGUESIA DE SANTANA DE LAVRAS DO FUNIL, A 42 LÉGUAS DE MARIANA E 81 DA CORTE DO RIO DE JANEIRO, COM 1.195 ALMAS E 1.866 FOGOS, SEGUNDO UM MAPA DO REVERENDO VIGÁRIO DE 1822, E DE RENDIMENTO COBRÁVEL COM A CÔNGRUA DE 1:600$000.

Esta freguesia tem de longitude, do nascente ao poente, de 24 a 25 léguas, e de latitude de 7 a 8 léguas.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

(16 de janeiro) Francisco Antônio de Salles

Francisco Antônio de Salles (07/09/1902 a 07/09/1906)
Natural de Lavras (MG), nasceu em 20 de janeiro de 1863 e faleceu em 16 de janeiro de 1933
Filho de Firmino Antônio de Salles e Anna Candido de Salles
Formação: Curso de Direito - Faculdade de São Paulo - 1886
Trajetória
Francisco Salles foi alfabetizado pelo educador padre Américo Brasileiro. Em seguida, foi buscar, no Seminário de Mariana, os conhecimentos secundários e preparatórios, que concluiu em Ouro Preto, em 1881. Nesse mesmo ano, iniciou o curso de Direito em São Paulo. Durante o período acadêmico, Salles aderiu ao Clube Republicano Paulista, em pleno regime monárquico. Voltou a Lavras como bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais e abriu banca de advogado, dedicando-se à propaganda republicana e pronunciando conferências.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

(5 de janeiro) Evaristo Alvarenga

Este nome recorda-nos um moço que se fez unicamente pelo seu trabalho, pela sua constância no cumprimento dos deveres, pela sua inteligência pouco vulgar. Ainda menino ele veio de Perdões, sua terra natal, empregar-se no comércio de Lavras, e por espaço de anos com um ordenado reduzido, auxiliou eficazmente sua família, economizando ele para si o mais possível e sentindo-se contente de servir àqueles que então lhe eram os mais queridos. Quem na infância deu tão belo exemplo de amor filial, na mocidade viria a ser, como ele o foi, chefe de família carinhoso, inexcedível no amor aos filhos.